• clinicahopesp

Como as revistas de celebridades retratam a infertilidade feminina?


Um novo estudo mostrou que as revistas populares geralmente apresentam celebridades grávidas em suas capas (geralmente na faixa dos 40 anos), sem mencionar os riscos da gravidez em idade materna avançada ou as tecnologias e métodos reprodutivos avançados necessários para alcançar essas gestações.


Ao minimizar o declínio da fertilidade com o avanço da idade, as revistas provavelmente contribuem para a crença das mulheres de que elas podem adiar a gravidez com segurança até idades posteriores. O estudo foi publicado no Journal of Women’s Health.

“A idade é apenas um número: como as revistas voltadas a celebridades deturpam a fertilidade em idades reprodutivas avançadas” é o nome do trabalho. Os pesquisadores examinaram 416 edições de revistas destinadas a mulheres em idade reprodutiva e descobriram que a fertilidade era destacada em um terço das capas, incluindo a menção de 240 celebridades diferentes.


Mais da metade das celebridades tinha idade materna avançada, mas havia apenas duas menções aos riscos de gravidez associados à esta condição. Um terço das gravidezes de mulheres com idade materna avançada era de celebridades com 40 anos ou mais; no entanto, nos artigos das revistas houve pouca ou nenhuma discussão sobre a necessidade de intervenções avançadas para alcançar a gravidez, como a fertilização in vitro e a necessidade de gametas de doadores.


“É fácil se sentir atraído pela capa de uma revista popular que mostra uma celebridade feliz grávida, aos 40 anos, e pensar que a fertilidade é a norma nessa fase da vida reprodutiva da mulher. Muitas vezes, nas reportagens não são mencionadas as tecnologias de reprodução assistida e os riscos associados a essas gravidezes tardias”, defendem os autores do estudo.


A gravidez em idade avançada

Halle Berry, Janet Jackson, Mariah Carey: essas são apenas algumas celebridades que deram à luz bem depois de completar 40 anos. Folheando as revistas femininas no supermercado local, você verá histórias de mulheres, algumas até com 50 anos, que agora são mães orgulhosas.


“Os avanços na medicina reprodutiva tornaram possível o que antes parecia impossível. Mas o que você lê nas revistas de celebridades nem sempre pode ser a história toda. Sim, uma mulher de 45 anos pode ter gêmeos saudáveis, mas ela muito provavelmente usou óvulos de doadores em conjunto com a fertilização in vitro ou qualquer outro tratamento de infertilidade. Seu parceiro masculino também pode ter precisado de uma extração de esperma ou outro procedimento”, afirma a especialista em Reprodução Humana Melissa Cavagnoli, diretora da Clínica Hope.


Os tratamentos modernos curaram a infertilidade? Todos os que desejam iniciar uma família podem fazê-lo? Qual é a verdade por trás dessas manchetes? “A realidade é que os tratamentos de infertilidade estão evoluindo e melhorando, mas a esperança deve ser alimentada com expectativas realistas. Se você deseja conceber tradicionalmente, isso requer planejamento familiar, pois o relógio biológico é real. Mas há muitas maneiras pelas quais as pessoas podem se tornar mães e pais na faixa dos 40 anos. O especialista em Reprodução Humana pode orientar cada caso com propriedade”, defende Melissa Cavagnoli.

0 visualização

DICIONÁRIO DA FERTILIDADE

Verbetes, causas e tratamentos sobre o universo da fertilidade. Nosso dicionário tem tudo o que você deseja saber.

FALE CONOSCO

Dúvidas, agendamento de consultas ou sugestões?

Fale com a Hope!

E-mail: contato@clinicahope.com.br

Telefones: +55 (11) 3887-3626  // +55 (11) 3884-7949

        Whatsapp: +55 (11) 94821-6406

REDES SOCIAIS

ICON-FACE.png
ICON-INSTA.png
ICON-TWITER.png
ICON-YT.png

NOSSOS PARCEIROS

labforlife.jpg
lgenomix.jpg
ivi.png
logo_fertility.png

As informações contidas em nosso website têm caráter informativo e educacional. O conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado a praticar o ato médico (diagnóstico, tratamento, encaminhamento de um paciente e prevenção de agravos ao mesmo), conforme orientação do Conselho Federal de Medicina.

Diretor Clínico: Dra. Amanda Volpato Alvarez - CRM 122.447 - GINECOLOGIA E OBSTETRICIA - RQE nº 25680 - REPRODUÇÃO ASSISTIDA - RQE nº 25680-1

© 2020 | Projeta Comunicação