• clinicahopesp

Tempo de congelamento de espermatozoides não interfere nas taxas de natalidade


Apesar do limite de tempo imposto em muitos países ao armazenamento de amostras de sêmen congelado, um novo estudo chinês descobriu que a criopreservação de longo prazo em banco de esperma não afeta os resultados clínicos futuros. Os resultados do estudo (Long-term cryostorage of semen in a human sperm bank does not affect clinical outcomes) foram apresentados recentemente em Viena, durante o 35ª Congresso Anual da ESHRE, Sociedade Europeia de Reprodução Humana.


Os resultados são baseados em uma análise retrospectiva de 119.558 amostras de sêmen de doadores de esperma no Human Sperm Bank. Para fins de análise, as amostras foram organizadas em três grupos: aquelas mantidas em criopreservação pelo período entre 6 meses e 5 anos; aquelas armazenadas entre 6 e 10 anos; e aquelas armazenados entre 11 e 15 anos.


O estudo descobriu que a taxa de sobrevivência do esperma após o descongelamento diminuiu de 85% para 73% após 15 anos de congelamento. No entanto, este declínio fez pouca diferença para a taxa de gravidez usando essas amostras para inseminação intra-uterina, com taxas de gravidez de 23%, 22,3% e 22,3%, nos três grupos de armazenamento, respectivamente. 


As taxas de sucesso foram similarmente comparáveis ​​quando as amostras de esperma congeladas foram usadas na fertilização in vitro, com taxas de gravidez de 64,2%, 64,9% e 53,4% nos três grupos. Considerando a taxa de nascidos vivos e de abortamento, também não houve diferença significativamente estatística entre os grupos.


Os autores ressaltam que essas altas taxas de sucesso foram alcançadas com esperma de doadores rastreados, o que não é necessariamente representativo na qualidade dos espermatozoides da população em geral.  


“Segundo os autores do estudo, os doadores deste banco de esperma estavam em boa saúde, de acordo com  exame físico e avaliação psicológica e não tinham história familiar de doença genética. Em função dessas precauções, as  taxas de nascidos vivos são apropriadas. Por isso, as implicações do estudo são muito relevantes:  o armazenamento, a longo prazo, de espermatozoides não parece afetar as taxas de natalidade”, explica a médica ginecologista e obstetra, Amanda Volpato, Diretora da Clínica Hope.


Há pelo menos dois relatos na literatura sobre gravidez bem-sucedidas usando sêmen humano armazenado por mais de 20 anos, o primeiro no Reino Unido, após 21 anos de armazenamento, e o segundo nos EUA, após 40 anos de armazenamento


O estudo chinês encontrou um pequeno declínio, mas estatisticamente significativo, na taxa de sobrevivência espermática durante o período de 15 anos. Os pesquisadores recomendam que os bancos de sêmen forneçam espermatozoides de acordo com a sua ordem de criopreservação, pois  muitos estudos mostram que alguns espermatozoides não sobrevivem ao processo de descongelamento.


#infertilidademasculina #doacaodesemen

DICIONÁRIO DA FERTILIDADE

Verbetes, causas e tratamentos sobre o universo da fertilidade. Nosso dicionário tem tudo o que você deseja saber.

FALE CONOSCO

Dúvidas, agendamento de consultas ou sugestões?

Fale com a Hope!

E-mail: contato@clinicahope.com.br

Telefones: +55 (11) 3887-3626  // +55 (11) 3884-7949

        Whatsapp: +55 (11) 94821-6406

REDES SOCIAIS

ICON-FACE.png
ICON-INSTA.png
ICON-TWITER.png
ICON-YT.png

NOSSOS PARCEIROS

labforlife.jpg
lgenomix.jpg
ivi.png
logo_fertility.png

As informações contidas em nosso website têm caráter informativo e educacional. O conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado a praticar o ato médico (diagnóstico, tratamento, encaminhamento de um paciente e prevenção de agravos ao mesmo), conforme orientação do Conselho Federal de Medicina.

Diretor Clínico: Dra. Amanda Volpato Alvarez - CRM 122.447 - GINECOLOGIA E OBSTETRICIA - RQE nº 25680 - REPRODUÇÃO ASSISTIDA - RQE nº 25680-1

© 2020 | Projeta Comunicação