• clinicahopesp

Tratamento de fertilidade não aumenta o risco de divórcio


Apesar de repetidas alegações de que as decepções com a infertilidade e o estresse do tratamento podem colocar um peso insuportável nos relacionamentos, um grande estudo, em âmbito nacional, envolvendo mais de 40.000 mulheres descobriu que o tratamento de fertilidade não aumenta o risco de divórcio.

“Os resultados são tranquilizadores para casais que fizeram ou têm indicação de fazer um tratamento empregando as tecnologias de reprodução assistida (TRA), como a fertilização in vitro. As descobertas podem ser particularmente úteis para apoiar o compromisso dos pacientes com o tratamento”, afirma a ginecologista e obstetra, Melissa Cavagnoli, diretora da Clínica Hope.


Entenda o estudo

O estudo de coorte foi baseado em dados do registro nacional de todas as mulheres em tratamento de reprodução assistida na Dinamarca, entre 1994 e 2009, um total de 42.845 pacientes. O estado civil / coabitante foi confirmado dois anos antes da inclusão no estudo e foi comparado com um grupo controle da população em geral e acompanhado de forma semelhante durante o período do estudo.


Durante os 16 anos de acompanhamento, a maioria dos casais teve filhos com seus parceiros de linha de base (56% não TRA x 65% TRA), e cerca de um quinto acabou se separando ou se divorciando (20% TRA x 22% não TRA). Embora os achados iniciais tenham revelado um risco menor de rompimento entre os casais TRA, quando os filhos subsequentes foram adicionados ao modelo e após o ajuste para a idade, educação e status de parceria dos dois parceiros, não houve diferença no risco de rompimento do casamento / parceria.


Estresse x infertilidade

Essa interação significativa entre o status da TRA e crianças comuns sugere que o risco de rompimento é principalmente influenciado pela falta de filhos. Segundo os pesquisadores, os resultados deste estudo não são incompatíveis com o que se sabe até agora sobre o estresse e a ansiedade causados ​​pela infertilidade e seu tratamento. Eles descobriram que os indivíduos que se divorciam, se separam e voltam ao tratamento são os que cinco anos antes apresentavam mais estresse.


“Já sabemos também que, apesar de toda a tensão que a infertilidade pode trazer, passar pela TRA pode realmente trazer benefícios ao relacionamento de um casal, porque os obriga a melhorar as estratégias de comunicação e enfrentamento”, diz Melissa Cavagnoli, especialista em Reprodução Humana.


A maioria dos casais experimenta algum grau de estresse durante o tratamento de infertilidade, mas a incerteza dos resultados torna a sintomatologia psicológica semelhante a muitas outras doenças crônicas. “A infertilidade tem a distinção de ter ambos os parceiros como pacientes, mesmo que o parceiro masculino frequentemente adote o papel de cuidador solidário. Acreditamos que fornecer aos casais conhecimento e expectativas adequados sobre as taxas de sucesso e o ônus que a TRA pode trazer para o casamento facilita muito o tratamento para a maioria dos casais”, defende a médica.

#infertilidademasculina #infertilidadefeminina

10 visualizações0 comentário